Cultura

Cultura em tempos de pandemia

Numa altura em que todos estamos vulneráveis e com esperança de novos e bons dias, a UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, lança o desafio aos escritores de Língua Oficial Portuguesa para refletirem sobre a “Cultura em tempos de Pandemia”.

Os textos em poesia ou em prosa, podem ser enviados até ao dia 25 de Maio de 2020, e serão divulgados nas plataformas digitais da UCCLA e em livro.

O limite de caracteres é de 5.000 e os textos deverão ser enviados por email para: cultura@uccla.pt e/ou ruilourido@uccla.pt

O escritor cabo-verdiano José Luiz Tavares, foi o primeiro a aceitar o desafio

“Depois, sim, que agora

estamos vivos.

Depois — quando o espirro

expirar.

Depois — quando tiveres

pó na goela.

Não agora — que agora

estamos vivos,

mesmo se nos interditam

a livre ciência do abraço.

Antes, sim, com os braços

portentosos.

Antes – sim – de o torpor

(n)os desemparelhar, com uma vénia,

pois, sim senhor,

que nunca é cedo para o terror

de, em campo aberto,

se desp(ed)ir do disfarce da vida.

Depois, sim,

porque a catástrofe caminha,

os monstros se desfazem

em ternurenta ladainha,

dizendo à vida enclausurada

que não tarda a primavera,

mesmo se a morte subterrânea

viaja pelo éter, e nas florestas da alma

o som da peste mais do que simples

rima a atafulhar, sonolenta, os ouvidos

é um rude ininterrupto canto.

Antes não, que te falta

a trela e o apito,

e a cara é sem rugas,

e a morte concorda contigo,

e tudo é mão de amigo

mesmo se te espreita

o tempo inimigo.

Depois sim, que estar vivo

é cedo encarquilhar-se;

não, não agora, porque estás

no imperscrutável interior,

e desconheces o limite ulterior,

e não sabes pedir por favor

o socorro amplamente sufragado.

Agora sim,

que é antes de toda a dor,

e ainda no corpo tens tanta cor,

e sobe-te à boca

cento de sabores.

Mas ainda não ao grande sim,

porque maravilha-te estar aqui

(só mais um instantinho),

embora penses na mão da eternidade

ou como é doce o despenhamento.

Antes não

— porque há a verdade

que desconheces,

e porque verdadeiramente nada sabes

tudo desejas devotamente.

Não ainda

— que os teus ossos

não sabem a alcatrão,

nem depois — que o esqueleto

é pertença do patrão.

Não depois,

mas agora sim,

porque tens fogo nas ventas,

mascas pó e polenta,

e o tempo inimigo te diz

que tudo se há de compor.”

José Luiz Tavares nasceu a 10 de junho 1967, no Tarrafal, ilha de Santiago, Cabo Verde. Estudou literatura e filosofia em Portugal, onde vive. Entre 2003 e 2020 publicou catorze livros espalhados por Portugal, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Colômbia. Recebeu uma dezena de prémios atribuídos em Cabo Verde, Brasil, Portugal e Espanha. Não aceitou nenhuma medalha ou comenda, até agora. Traduziu Camões e Pessoa para a língua cabo-verdiana. Está traduzido para inglês, castelhano, francês, alemão, mandarim, neerlandês, italiano, catalão, russo, galês, finlandês e letão. Sobrevive ao tempo do mundo sem estar conectado a nenhuma rede social.

 

Comunicado do Secretário-Geral da UCCLA, Vítor Ramalho

“O surto epidémico do COVI19 atinge, de forma inesperada e dramática, toda a Humanidade, envolvendo a adoção de planos de contingência, também adotados por Países de Língua Oficial Portuguesa, que determinam constrangimentos de mobilidade exterior e distanciamento social no interior dos respetivos países. Tem-se revelado como uma crise de saúde pública com graves consequências sociais e económicas.

A UCCLA não podia deixar de fazer um apelo à reflexão sobre o papel da cultura no combate a esta Pandemia. Parecendo evidente que perante este flagelo, os povos e os países se verão confrontados com novos desafios sociais e políticos, sobre os quais importa refletir e encontrar novas respostas.

Neste novo contexto o papel da Cultura, e em especial dos escritores, é determinante. Assim lançamos o desafio aos escritores de Língua Oficial Portuguesa, que desejem contribuir para essa reflexão, para elaborarem textos, quer em poesia quer em prosa, tendo como limite cerca de 5.000 caracteres. Estes deverão ser enviados por email (cultura@uccla.pt e ruilourido@uccla.pt), durante os próximos dois meses, com termo no dia 25 de maio de 2020.

A UCCLA responsabiliza-se por divulgar os textos, com identificação da autoria e uma breve nota biográfica, nas suas plataformas digitais e em livro (a ser publicado após o tratamento editorial).”

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close