DestaqueEducação

Cordão humano contra o amianto

A manhã desta quinta-feira, dia 10 de Outubro, foi bem diferente para a comunidade escolar do Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide.

Em causa, para alunos, pais, professores e funcionários, estava a própria saúde, e foi em nome dela que a comunidade escolar marchou exigindo a retirada do amianto, um componente comprovadamente perigoso e com efeitos a longo prazo na saúde humana, logo a partir das 8h50.

O cordão humano estava anunciado há alguns dias, com concentração junto da EB 2,3 Gaspar Correia e da Secundária da Portela e formação do cordão junto ao Centro Comercial da Portela. A comunicação social compareceu no local e cobriu extensivamente a iniciativa, dando voz aos que reclamam a substituição das estruturas que contêm a substância, nomeadamente os tectos falsos e os pavimentos.

O protesto foi promovido por dois movimentos chamados “ESPeloClima” e “Escolas Sem Amianto”, grupos que integram alunos da Escola Secundária da Portela, no primeiro caso, e professores e encarregados de educação do Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide, no segundo caso.

O trânsito foi perturbado em várias artérias da freguesia de Moscavide e Portela, ou não estivessem os protestos naturalmente necessitados de causar algum impacto. Os porta-vozes da comunidade escolar garantiram que ela está mobilizada quanto à questão na ordem do dia e não vão desistir de fazer chegar as suas reivindicações junto do próximo ministro da Educação. No mesmo sentido, reclamam não ter sido ouvidos na anterior legislatura.

Na sua página de Facebook, o MESA (Movimento Escolas Sem Amianto) afirma que “vai entregar até ao final do ano uma queixa contra Portugal na Comissão Europeia por inacção na remoção de amianto nas escolas, que são edifícios públicos”.

Recorde-se que o amianto é uma substância muito utilizada no revestimento de várias estruturas na construção civil, do revestimento de paredes, aos tectos e pavimentos, mas que foi proibida a partir de 2005 devido aos seus efeitos potencialmente cancerígenos.

(fotos da página do Facebook do MESA)

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close