Local

Associação de Defesa do Património revoltada com remoção da calçada portuguesa

 

calçada geometricaA Associação de Defesa do Património de Lisboa manifestou-se contra a intenção do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, de retirar a calçada portuguesa das ruas da cidade, mantendo-a apenas em algumas zonas turísticas.

Para a Presidente da associação, Aline Hall Beuvink, a calçada é uma imagem de marca de Portugal e ao invés de ser removida deveria ser aproveitada como uma mais valia a nível cultural e turístico. Este defende, ainda, que “a profissão de calceteiro, uma das ainda poucas profissões típicas da cidade de Lisboa, deveria ser dignificada e fomentada, de forma a criar trabalho em tempo difíceis”.

Em relação ao mau estado da calçada, Aline defende que essa situação se deve à falta de profissionalismo que se tem verificado na colocação da calçada nos últimos anos, em que a Câmara é uma das culpadas devido à negligência de fiscalização, manutenção e limpeza das mesmas.

A associação informou, através de um comunicado, que  “irá encabeçar uma petição para a manutenção da calçada portuguesa em Lisboa”.

Ver mais

Artigos relacionados

2 Comments

  1. Olá Fernando

    Tenho 54 anos, casado, ambos arquitectos e ambos residentes em Portugal, Olhão.
    Manifestamos o nosso inteiro apoio e compartimos a vossa indignação e revolta.
    Em Olhão igualmente nas pequenas praças do casco histórico vão começar já nesta Segunda-Feira obras de substituição da calçada tradicional e inclusão de estatuetas e mobiliário urbano para “requalificar os espaços”. Claro está, população indignada e revoltada com os ombros descaídos pela impotência de reverter uma decisão individualista de alterar aquilo que a caracteriza e que com a envolvente constituem a entidade singular e secular dum povo e destes locais, mote dos postais ilustrados e de equipas de filmagem estrangeiras que recorrentemente recolhem imagens destes espaços pitorescos, minimalistas, onde se estende a roupa, se repara o barco colorido, se convive, se come e se grelha peixe crepitando nos risos desta gente.
    Estamos estupefactos com o nível de insensibilidade e ignorância em pleno sec XXI relativamente ao entendimento daquilo que é um produto senão turístico-económico, pelo menos humano.

    Gostariamos de saber se algo de concreto poderá ser feito para inverter esta situação.

    Cordiais cumprimentos

    Filipe Monteiro e Eleonore Lefebure

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close