Local

VeganNata expande rede de distribuição

Pastéis de nata vegan? Porque não?

A 16 de Janeiro deste ano que chegou ao bairro de Campo de Ourique uma pastelaria que fabrica pastéis de nata confeccionados sem qualquer ingrediente de origem animal, sem lactose e com baixo teor de açúcar. A diferença para os tradicionais é nula.

O espaço fica na Rua 4 de Infantaria, n.º 29-D, em Lisboa, e serve apenas esta típica iguaria portuguesa. O conceito vegan tem como uma das principais preocupações a sustentabilidade, pelo que ali não se utilizam objectos de plástico, os talheres são de bambu e os copos são de bolacha, o que cai sempre bem no final do cafezinho.

Agora a VeganNata Portugal, a primeira marca certificada com o selo V-Label, tem duas novas rotas de entrega ao domicílio: na Margem Sul do Tejo, nas zonas de Almada, Seixal, Amora, Corroios, Arrentela, Barreiro, Montijo e Alcochete; e na Linha de Cascais, em Algés, Caxias, Oeiras, Carcavelos, Parede, São Pedro, Estoril e Cascais.

“Cada vez mais, queremos chegar a todos aqueles que gostam do nosso pastel de nata vegan, mas que não podem ir até à nossa loja, em Campo de Ourique, ou que preferem saboreá-lo no conforto do seu lar. A pandemia que estamos a viver fez-nos repensar os nossos canais de distribuição e perceber que queremos estar mais próximos de quem gosta de nós”, afirma Rita dos Santos, CEO da VeganNata Portugal.

Na Margem Sul do Tejo, as entregas são realizadas às Terças e Quintas-feiras; e na Linha de Cascais, às Quartas e Sextas-feiras. As encomendas devem ser feitas até às 20h00 do dia anterior, através do número 912 191 284.

A VeganNata tem também rotas de distribuição na zona da Grande Lisboa.

Dependendo do tipo de encomenda, a VeganNata pode oferecer aos seus clientes sumos Compal Origens. Esta promoção vem no seguimento da estratégia de parceria com marcas portuguesas de excelência, sempre na área da alimentação saudável, do veganismo e da sustentabilidade ambiental.

“Acreditamos que todos juntos fazemos mais e melhor pela economia Portuguesa”, conclui Rita dos Santos.

Espreite aqui.

 

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close