CulturaDossierLocal

Arte Naïf no Casino Estoril

Pintura Naif no CEFoi há 45 anos que, com o apoio de uma jornalista, Manuela de Azevedo e de alguns artistas de referência como Francisco Relógio, Artur Bual e Manuel Cargaleiro, que a Galeria de Arte do Casino Estoril assumiu a iniciativa de divulgar a Arte Naïf, até essa altura totalmente esquecida, para mostrar aos portugueses e aos milhares de turistas que nos visitam, a Arte destes artistas, alguns de referência mundial, como António Poteiro, luso-brasileiro nascido em Barcelos e Isabelino Coelho, nascido em Guimarães, uma referência mundial, porque o melhor livro que existe no mundo, editado na Suíça, sobre Arte Naïf, Encyclopedie Mondial, escolheu de entre os mil autores que constam dessa obra um trabalho seu em página dupla, como exemplo e paradigma da arte naïf.

Todos os anos a Galeria de Arte do Casino Estoril organiza um Salão Internacional de Pintura Naïf, escolhendo um dos artistas presentes para ser homenageado. Na edição do corrente ano o artista selecionado foi António Poteiro, um luso-brasileiro, luso, porque nasceu em Barcelos numa localidade vizinha na aldeia onde nasceu Rosa Ramalho e brasileiro, porque aos 3-4 anos de vida rumou para o Brasil com os seus pais, fixando-se em Goiás, não longe de Brasília, um dos maiores centros cerâmicos do Brasil.

Já vi escrito que o António Poteiro foi uma estrela que caiu em Goiás. Acontece que o menininho português de uma ignota terra minhota, utilizando como material uma terra mais rica que dá pelo nome de barro e numa segunda fase utilizando as telas e os óleos, havia de transformar-se numa das grandes referências culturais do Brasil.

Um dia, recebi uma sugestão de Júlio Pomar para fazer uma exposição do Poteiro, para mim o mais importante pintor português, já dessa altura, que me honrou acolher solicitando que escrevesse o texto do catálogo. Nesse texto, Pomar atribuiu a Arte Naïf a mais singular e precisa definição dessa modalidade artística, quando escreveu: “A Arte de Poteiro é uma Arte concebida sem pecado.”

A exposição actualmente presente na Galeria do Casino – recorde-se que Poteiro participou em 1980 no primeiro Salão de Arte Naïf aqui realizada é uma das melhores de sempre, como tem sido confirmado pelas dezenas de milhares de pessoas que já a visitaram.

Mais. Quando o Dr. Mário Soares visitou, como Presidente da República, o Brasil, a nossa em Embaixada em Brasília apresentou uma exposição com trabalhos de António Poteiro e aquando da cerimónia de encerramento das celebrações dos descobrimentos, a oferta oficial de Fernando Henrique Cardoso ao Presidente Português, convidado de honra, foi um quadro de Poteiro.

Aqui há uns anos, atrás, fui solicitado pelo Presidente da Fundação Envangelização e Cultura, sedeada na Universidade Católica, em Lisboa, para fazer uma exposição de pintura sobre a temática do nome daquela Instituição. Participaram nessa mostra os mais qualificados praticantes da Arte Naïf portugueses e, também, muitos artistas espanhóis e brasileiros. Na inauguração estiveram presentes o Cardeal D. António Ribeiro e presidente Mário Soares.

A exposição tinha um prémio, que foi atribuído pelo júri a um importante trabalho do Poteiro, que meses depois me escreveu uma carta a informar que oferecia o trabalho premiado a uma importante Instituição portuguesa da área das Artes e da Cultura.

Nesta XXXV Exposição Internacional de Pintura Naïf estão presentes 29 artistas que merecem aqui ser nomeados. A estória de cada um deles, isto é, as suas carreiras, dava para um romance. São eles: A.Barbosa, Albino José Moreira, António Charrinho, A.Réu, Arménio Ferreira, Augusto Pinheiro, Bento Sargento, Cecília, Conceição Lopes, Edna de Araraquara, Elza Filipa, Emil Pavelescu, Feliciana, Fernanda Azevedo, Ivone Carvalho, José Maria, Juan Guerra, Leonel Pereira, Luiza Caetano, Manuel Carvalho, Manuel Castro, Maria Vilaça, Nell, Rocha Maia, Silvana, e Zé Cordeiro.

Muitos deles iniciaram-se na Pintura depois da reforma.

As suas profissões são as mais diversas. Donas de casa, agricultores, um pedreiro, um pastor de cabras, um barbeiro, um ferroviário, algumas professoras, um engenheiro mecânico e uma bancária.

Como sempre o tema da exposição foi livre mas, como o casino Estoril celebra o seu quadragésimo quinto aniversário, alguns artistas quiseram agradecer o acolhimento que sempre tiverem nesta casa.

O título deste texto é “A Arte Naïf é uma Arte que anda por aí muito esquecida”. Não é para admirar. Quando, há uns trinta anos, foi editada a enciclopédia mundial que integrou 1000 artistas de todo o mundo, a sua editora não teve qualquer resposta para todas as solicitações feitas para a indicação dos nomes dos artistas lusitanos que já os havia e de qualidade.

Esta exposição tem sido uma das mais visitadas. É bonita de se ver. Os seus trabalhos são concebidos sem pecado. Há neles muito encanto, poesia e beleza plástica.

A exposição que ficará patente ao público todos os dias, até 15 de Setembro, das 15 às 24 horas.

N. Lima de Carvalho

Director da Galeria de Arte do Casino Estoril

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close