Início » Cultura, Reportagem » Poesia celebrada, dita e cantada no aniversário da APP

A Associação Portuguesa de Poetas (APP) assinalou no dia 3 de Abril o seu 33.º aniversário, reunindo mais de 60 pessoas na sua sede.

Esta associação, nascida em 1985 e sediada na Rua Américo de Jesus Fernandes, na freguesia dos Olivais, reuniu a sua gente para conviver, agraciar os associados mais antigos com os respectivos emblemas comemorativos e ainda entregar os prémios aos vencedores do concurso “Nau dos Sonhos – Prémio Ivone Vairinho”.

O referido concurso, que recebeu mais de 20 candidaturas nas categorias de poemas ilustrados e poemas com ilustração, homenageia uma ex-presidente da APP, falecida em 2012.

Na categoria de poema ilustrado, Francisco Mata venceu o prémio com o poema “Psicadélico” (e teve oportunidade de o dizer perante os ávidos ouvintes presentes na sala); na categoria de poema com ilustração, o mérito coube a dois associados, ex-aequo: Carlos Almeida, com “Do outro lado dos sonhos” e Cassiano Cabral, com “Mares”. Este último vencedor tem a particularidade de residir em Porto Alegre, Brasil.

Alguns sócios fundadores da APP marcaram presença na sessão solene, a quem o actual presidente, Carlos Cardoso Luís, saudou e agradeceu a companhia.

Além da esperada intervenção dos Jograis da APP, que declamaram um conjunto de poemas com dinamismo, a tarde ficou ainda marcada pela música: José Gonçalves, o Grupo Musicanos e Vítor Duarte Marceneiro brindaram o público com o seu talento.

Sempre bem-disposto, o neto do fadista Alfredo Marceneiro não se coibiu de dar algumas dicas ao jornalista do EXPRESSO do Oriente, empunhando a máquina fotográfica e assinando alguns dos “flashes” desta tarde de festa! Para nós, foi uma estreia…

A festa só terminou com o espumante e o soprar das velas do bolo de aniversário. Assim se fez juz ao lema da APP: “Pela vivência poética, nas páginas da nossa vida”.

Parabéns, Associação Portuguesa de Poetas!

 

Sem comentários... Seja o primeiro a comentar!