Início » Cultura, Destaque, Dossier, Educação, Local » “Contos no Jardim” combinam o Dia Mundial do Livro com os valores de Abril

Foi em pleno Dia Mundial do Livro que mais de 800 crianças das escolas dos Olivais se reuniram no Vale do Silêncio para ouvir contar contos – e contá-los também!

Não foram só o vereador da Educação da Câmara Municipal de Lisboa, Ricardo Robles, e a presidente da Junta de Freguesia dos Olivais, Rute Lima, que contaram um conto: também os próprios alunos das escolas olivalenses subiram ao pequeno palco para contar as suas histórias, ler alguns versos e participar numa festa onde foram os protagonistas.

No Dia Mundial do Livro, assinalado a 23 de Abril, o relvado do Parque do Vale do Silêncio encheu-se de vida, com mais de 800 crianças de várias idades (pré-escolar e 1.º ciclo), os monitores e muitas “mascotes”, com destaque para o Luís Vaz (esse mesmo, o que escreveu um livro famoso) e o cravo de Abril. Também merece realce a exposição de trabalhos escolares sobre vários temas, ali mesmo à vista de todos.

O primeiro a pegar no livro foi o vereador Ricardo Robles, que leu um conto que começava por “Era uma vez um cravo nascido no mês de Abril” e contava a história da Revolução, a partir da florista D. Floripes e dos seus cravos (José Jorge Letria, “Era uma vez um cravo”).

Seguiu-se o conto mágico da presidente Rute Lima, escrito pela própria, que começava por “Era uma vez nos Olivais”. Este conto, que remontava à data da fundação da freguesia, há 621 anos, partilhava um segredo guardado por todos os presidentes de junta desde essa altura… é que nos bosques dos Olivais, ou seja, nos seus prados, relvados e espaços verdes, existem duas “fadas mágicas” chamadas Liberdade e Igualdade. São duas “fadas” que ficam tristes e deixam tudo cinzento sempre que os meninos e meninas desrespeitam os idosos, maltratam os mais baixos, mais gordos ou meninos de cor e gozam com os deficientes. Pelo contrário, tudo ganha cor e alegria quando os meninos se respeitam e se tratam bem uns aos outros.

Folhear um livro tem um sabor diferente

Ao nosso Jornal, o vereador Ricardo Robles garante que “A Câmara Municipal de Lisboa está a valorizar muito as questões da Educação neste mandato. Queremos garantir que nas escolas públicas é dada a melhor educação às crianças, e isso passa por melhores infraestruturas mas também por melhores programas e actividades. Hoje, a celebrar o Dia Mundial do Livro em parceria com a Junta de Freguesia dos Olivais, quisemos envolver as crianças contando um conto. Defendemos esta ideia de uma escola participada, diversa, onde todos têm voz e algo a dizer”.

Por seu turno, a presidente Rute Lima salienta a importância de fomentar o gosto pela leitura e pelo livro físico nos tempos que correm: “Este evento alude ao Dia Mundial do Livro, que é sempre um momento digno de registo, numa era digital em que as crianças estão algo distantes dos livros e da leitura em suporte físico fora do âmbito escolar. Nós, em parceria com a CML, entendemos que o livro para folhear e os hábitos de leitura devem ser fomentados entre as crianças, deve ser algo que faz parte da nossa vida. O livro folheado tem outro sabor, algo empírico e introspectivo, que nos marca”.

“Por outro lado”, afirma ainda a autarca, “a proximidade com o aniversário da Revolução é sempre um bom motivo para recordar os valores de Abril. Eu e o vereador da Educação não combinámos, mas acabámos por nos complementar nas histórias que contámos… É fundamental que passemos às nossas crianças estes valores da liberdade e igualdade, fundados no respeito pelo que é diferente”.

Sem comentários... Seja o primeiro a comentar!