DestaqueDossier

EMEL: novas tarifas e primeiro dístico gratuito

A EMEL e o vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa anunciaram esta semana novidades no que diz respeito ao estacionamento em Lisboa.

Entre as medidas que merecem maior destaque, haverá duas novas tarifas de estacionamento, mais caras que a vermelha (que é actualmente a mais “pesada”, custando 1,60 euros por hora). As zonas castanhas e as zonas pretas custarão, respectivamente, 2 e 3 euros por hora, até um máximo de duas horas. Estas zonas serão localizadas, pelo menos numa primeira fase, no chamado eixo central da cidade, nomeadamente na Avenida Fontes Pereira de Melo e na Avenida da Liberdade.

Por outro lado, as famílias numerosas – com mais de dois filhos – e cujo filho mais novo tenha até 24 meses podem ver garantido o estacionamento à porta de casa.

Mas não é tudo. O primeiro dístico de cada agregado familiar vai passar a ser gratuito, bem como os dísticos únicos por agregado, o que corresponderá a cerca de 50% das famílias. Em contrapartida, o terceiro dístico por agregado vai ficar mais caro nas zonas onde há maior pressão de estacionamento. Os dísticos de residente vão passar a ser possíveis nas zonas vermelhas. A EMEL também verá ser alargado o seu horário de funcionamento, podendo, no limite, operar nas 24 horas do dia, e quem utiliza plataformas de carros partilhados, sem ter viatura própria, também poderá estacionar junto de casa.

Todas estas medidas foram anunciadas pelo vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa, Miguel Gaspar, enquanto apresentava o novo Regulamento Geral de Estacionamento e Paragem na Via Pública. Este mesmo documento será submetido a consulta pública em breve e até ao final de Setembro, segundo o Município. Algumas das medidas serão para implementar ainda este ano, entre Outubro e Novembro; as restantes apenas no primeiro semestre de 2020.

Por fim, a EMEL vai passar a poder fiscalizar trotinetas, tendo Miguel Gaspar reiterado que esta é uma competência que não recai sobre as juntas de freguesia, em referência ao caso da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, que anunciou uma taxa de remoção de bicicletas e trotinetas no seu território.

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close