DestaqueEducação

250 alunos visitam banco de sementes

Mais de 250 alunos visitaram o banco de sementes do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa.

Os alunos, oriundos do Agrupamento de Escolas Padre Bartolomeu de Gusmão, visitaram o maior e mais antigo banco de sementes de espécies autóctones de Portugal continental, um espaço que está habitualmente fechado e inacessível no Museu (MUHNAC-ULisboa). A colecção chama-se Banco de Sementes A. L. Belo Correia.

A visita serviu para sensibilizar os mais novos para a importância de salvaguardar o património genético vegetal, a semente, e aconteceu graças a uma parceria entre o MUHNAC-ULisboa e o projecto “Germinar um banco de sementes”, financiado pelo programa Bip/Zip – Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa, da Câmara Municipal de Lisboa.

Os alunos do 2.º e 6.º ano puderam visitar o laboratório onde são recolhidas, tratadas, conservadas e vigiadas as sementes, ver as câmaras de germinação e a arca frigorífica que preserva mais de 1/3 da flora portuguesa e cerca de 60% das espécies protegidas de Portugal Continental.

Também visitaram o jardim botânico, onde procuraram por sementes raras, como as do Dragoeiro ou as da Árvore-do-Fogo, e ficaram a saber que a Cica (Cycas revoluta) é uma árvore do tempo dos dinossauros, que as suas folhas espinhosas funcionam como defesa contra os predadores e que a planta pode ser masculina ou feminina.

O projecto “Germinar um banco de sementes” pretende criar um banco de sementes físico, assim como um website de promoção à troca de sementes, e uma horta comunitária na Escola Secundária Josefa de Óbidos, em Lisboa, onde os alunos poderão produzir sementes.

Mais informação sobre o projecto aqui.

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close