Dossier

Hoje quem manda sou eu!

De 14 a 16 de julho, a Rede Nacional de Centros Ciência Viva vai estar virada do avesso. Os diretores de cada Centro Ciência Viva irão trocar de cadeira ao mesmo tempo e à chegada ao seu “novo” Centro é esperado que digam “Hoje quem manda sou eu!”.

Esta é uma iniciativa organizada pela Ciência Viva a nível nacional com o objetivo de divulgar o trabalho e a importância da Rede de Centros Ciência Viva. Durante três dias, esta troca de cadeiras transporta programas diferentes que vão desafiar as equipas de cada Centro Ciência Viva e vão, certamente, proporcionar experiências inspiradoras aos visitantes.

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO

FARO

Rosalia Vargas, diretora do Pavilhão do Conhecimento, ruma ao sul para ser diretora do Centro Ciência Viva do Algarve, em Faro. “Ciência no Asfalto” é uma das iniciativas que programou para revelar a ciência aos motards da Concentração Internacional de Motos em Faro, que terão à sua espera um desafio nas redes sociais. Os mais novos serão convidados a fazer uma visita sensorial e o jogo Jenga será o mote para a exploração dos ecossistemas costeiros. Do programa faz parte uma descida à Mina de Sal-Gema e um percurso ao longo dos canais da Ria Formosa em barcos movidos 100% a energia solar. Atenção ainda ao Conselho Público Pop Up onde serão discutidas propostas de desenvolvimento deste Centro de Ciência para os próximos cinco anos.

LISBOA

O Pavilhão do Conhecimento será durante três dias a nova casa de Rui Dias, do Centro Ciência Viva de Estremoz. O Antropocénico é o foco de uma programação onde iguanas, dinossauros e galinhas se cruzam com uma exposição onde se junta arroz, rochas e obras de arte. Haverá ainda visitas guiadas, conversas com investigadores, histórias para miúdos e filmes de animação. Nos dias 15 e 16 de julho o museu estará de portas abertas até às 23.00, com entrada gratuita a partir das 18.00.

VILA NOVA DE FOZ CÔA

A diretora do Centro Ciência Viva de Vila do Conde, Raquel Ribeiro, promove na sua nova “casa”, o Museu do Côa, uma visita noturna ao sítio de arte rupestre da Penascosa para observação da arte paleolítica do Côa e um percurso guiado pela investigadora Vanessa Mata com o desafio de identificar as espécies de morcegos que habitam aquela região.

VILA DO CONDE

Álvaro Pinto, que dirige o Centro Ciência Viva do Lousal – Mina de Ciência, viaja até Vila do Conde para promover as atividades experimentais “Quem tem olho para os minerais”, com cinco desafios para identificar minerais através das suas propriedades físicas, e “Ciência Viva on the rocks”, com rochas que cabem na palma da mão.

ESTREMOZ

Pedro Pombo, diretor da Fábrica – Centro Ciência Viva de Aveiro, comprou bilhete para o Alentejo e tem como destino final o Centro Ciência Viva de Estremoz. Na mala leva estruturas com impressão 3D, Mbots, Legos WeDo 2.0 e desafios elétricos.

LOUSAL

Paulo Trincão, diretor do Exploratório – Centro Ciência Viva de Coimbra, desce até ao Lousal e convida o público a uma “Volta ao mundo em 45 minutos”. “Os talheres mágicos do Titanic” é um dos livros que leva na bagagem, assim como a exposição “Dormir com ConsCiência”.

AÇORES

Edite Fernandes, diretora do Centro Ciência Viva da Floresta, de Proença-a-Nova, voa até ao Expolab – Centro Ciência Viva dos Açores com atividades que revelam que a floresta não é só feita de madeira, mas também de aromas.

LAGOS

Paula Robalo, diretora do Carsoscópio, leva até Lagos a “Noite dos Morcegos”, uma das atividades mais emblemáticas do Centro Ciência Viva do Alviela, que dirige no resto do ano.

BRAGANÇA

Filipe Pires, diretor do Planetário do Porto, viaja com telescópios até ao Centro Ciência Viva de Bragança e promove uma noite dedicada à Astronomia, atividades de observação do sol e uma oficina de construção e lançamento de foguetões.

BRAGA

Sérgio Freitas Silva, diretor do Curtir Ciência – Centro Ciência Viva de Guimarães, promove no Planetário – Casa da Ciência de Braga “Conversas fora da caixa” entre o público e investigadores. A microscopia será outro dos destaques da programação, com a observação de preparações de plantas, fungos, líquenes e insetos.

CONSTÂNCIA

Ana Ramos, do Centro Ciência Viva de Tavira, será a nova diretora do Centro Ciência Viva de Constância. A floresta e o lago artificial que circundam este Parque de Astronomia serão o ponto de partida para atividades de exploração sobre biodiversidade, alterações climáticas e sustentabilidade.

COIMBRA

Aida Carvalho, diretora do Museu do Côa, leva até ao Exploratório de Coimbra a arte rupestre. Na oficina de Arqueologia experimental os participantes irão recriar a produção e a utilização das armas de caça daqueles tempos. O ilustrador António Jorge Gonçalves e o pianista Filipe Raposo são os autores do documentário sobre a arte do Côa que será projetado.

TAVIRA

Ivone Fachada, diretora do Centro Ciência Viva de Bragança, atravessa o país e aterra no Centro Ciência Viva de Tavira com a exposição de fotografia “B.I. Biosfera Integrada”, da autoria de Pedro Rego, que será acompanhada de atividades científicas para os mais novos.

AVEIRO

Maria João Fonseca, que dirige a Galeria da Biodiversidade, leva até à Fábrica – Centro Ciência Viva de Aveiro uma proposta para aumentarmos a biodiversidade nos nossos jardins e quintais. O público dos 6 aos 12 anos será convidado a criar ninhos e comedouros para aves e hotéis para insetos.

PORTO

João Braga, diretor do Planetário – Casa da Ciência de Braga, irá programar o Planetário do Porto e tem como missão estruturar uma sala Hands-on com atividades de astronomia dedicadas a miúdos e graúdos.

GUIMARÃES

Luís Azevedo Rodrigues, diretor do Centro Ciência Viva de Lagos, atravessa o país e leva a Guimarães roteiros virtuais 360º para explorar o interior do museu e o património histórico e natural ao seu redor. Irá também apresentar as potencialidades da modelação e da fotogrametria 3D.

PROENÇA-A-NOVA

João Paulo Constância deixa o Expolab dos Açores, na ilha de São Miguel, e ocupa a cadeira de diretor do Centro Ciência Viva da Floresta. O módulo de realidade virtual “A Floresta de Laurissilva” será o ponto de partida para várias atividades. Os visitantes do Centro irão ainda viajar “À boleia dos Açores” numa ação centrada na colonização biológica do arquipélago, a partir de documentos de Charles Darwin.

ALVIELA

Máximo Ferreira, diretor do Centro Ciência de Viva de Constância – Parque de Astronomia, leva na bagagem telescópios para sessões de observação noturna e ações de formação dirigidas à equipa do Centro Ciência Viva do Alviela.

PORTO

A Galeria da Biodiversidade recebe a diretora do Centro Ciência Viva do Algarve. Cristina Veiga-Pires transporta para este centro de ciência a exposição de fotografia “Um mundo de areia” e promove uma tertúlia a propósito do documentário “Sand Wars”, de Denis Delestrac, sobre a extração intensiva da areia da praia.

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close