EducaçãoReportagem

EB Nuno Gonçalves de portas abertas

Na freguesia da Penha de França, em Lisboa, a Escola Básica Nuno Gonçalves continua de portas abertas, ao abrigo do Decreto que o Governo aprovou para manter cerca de 800 escolas em funcionamento em todo o país com o intuito de dar apoio aos filhos dos trabalhadores que nesta altura asseguram os serviços essenciais.

Em Lisboa, e em articulação com o Ministério da Educação, estão abertas nove escolas da cidade para acolher os filhos dos profissionais dos serviços de saúde, forças de segurança, bombeiros ou higiene urbana, são elas: Escola Secundária Vergílio Ferreira, Escola Secundária Gil Vicente, Escola Secundária do Lumiar, Escola Secundária do Restelo, Escola Básica Mestre Arnaldo Louro Almeida, Escola Básica Patrício Prazeres, Escola Básica Leão de Arroios, Escola Básica Nuno Gonçalves e Escola Básica Paulino Montez.

O objectivo é proporcionar as condições básicas para que os profissionais possam exercer as suas funções sem preocupação de onde e a quem deixar os seus filhos, de modo a não faltarem aos seus compromissos profissionais.

A EB Nuno Gonçalves recebe, por enquanto, apenas quatro alunos mas isso não é impedimento para manter as portas abertas. Numa altura em que vivemos um quadro de isolamento social em que nem sequer se pode recorrer aos avós para cuidar dos netos, esta é uma ajuda preciosa para quem não tem outra solução e o facto de receber poucos alunos, não desmotiva a directora, Laurinda Pereira, que no início, tal como contou à agência Lusa, confessa que ficou um pouco preocupada, mas afirma: “assim que tomei contacto com uma primeira família que precisava de ajuda fiquei absolutamente rendida à decisão”.

Para as famílias é fundamental este apoio porque ficam libertas para o trabalho que nesta altura é indispensável na comunidade e também porque sentem que assim as crianças estão mais ocupadas com os trabalhos escolares que acabam por ser até mais produtivos, por outro lado há a questão das refeições que também retira algum trabalho a estes pais já com pouco tempo para dedicar à vida doméstica. Assim, ficam descansados pelos seus filhos, que apesar de não estarem a viver a rotina normal, têm o apoio necessário a todos os níveis.

Na Escola Básica Nuno Gonçalves, três das quatro crianças que continuam a frequentar a escola diariamente são irmãs e fazem companhia a uma outra que completa a “turma”.

Provavelmente as escolas básicas, este ano lectivo, já não irão abrir portas para aulas presenciais mas continuam as aulas com recurso a tele-escola ou online.

“Não me assusta, porque temos estado a trabalhar e houve uma excelente reacção dos docentes e do sistema educativo a esta situação. As crianças também responderam muito bem, por isso estamos a preparar-nos para ter um terceiro período online se for essa a decisão”, refere a directora, que defende ainda que não devem ser dados passos precipitados na hora de decidir sobre a reabertura dos estabelecimentos de ensino e acredita que esta crise vai resultar num “grande crescimento do sistema educativo, da relação pedagógica e da utilização das tecnologias”.

Os alunos, certamente gostariam de voltar à sua rotina, em especial quando se fala dos intervalos para brincadeira, mas tudo indica que são os que se adaptam melhor às mudanças.

Quanto aos pais, mostram-se confiantes no sistema de ensino e afirmam saber que esta é uma nova situação a que todos temos de nos adaptar e seguir, tranquilamente, rumo ao futuro.

 

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close