Outras

“Vida” inspira a edição de Verão da nova revista “Egoísta”

Com uma irrecusável sugestão de leitura para o Verão, a revista “Egoísta” acaba de lançar uma nova edição temática, inspirada, desta vez, na “Vida”. Propriedade da Estoril Sol, a revista que com 94 galardões é mais premiada da Europa, propõe “uma reflexão sobre as diferentes fases de vida, numa visão iconográfica, a partir de objetos que representam momentos e idades”, revela a editora Patricia Reis.

A revista “Egoísta -Vida” reúne um notável elenco de colaboradores. “O texto sobre a infância é da autoria de José Luís Peixoto, estando a adolescência nas mãos de Xavier Pereira. Paula Cosme Pinto e Patrícia Reis assinam a fase da vida adulta e da velhice. Como representação da vida, os objetos selecionados foram fotografados por Nuno Correia e cartografados em termos de referência histórica por Carla Graça. Esta edição apresenta um formato especial, repartida em quatro revistas que se agregam através de uma sobrecapa. Adicionalmente, os leitores têm acesso a um quinto volume  no qual podem inscrever as suas ideias, fixar memórias, projetar o futuro”, explica Patricia Reis.

Escreve Mário Assis Ferreira, Director da “Egoísta” no editorial da edição de “Vida”: “Dizem que uma criança deixa de o ser quando percebe que a morte existe. Como se essa percepção fosse o vislumbre da curteza da vida. Demasiado curta sem ser pequena…Demasiado grande para ser negligenciada! Pois que ninguém sabe quando acontece esse misterioso dia que traça o meridiano entre a vida já vivida e a que nos resta viver. E assim existimos, cientes da certeza da finitude, reféns da incerteza do seu desfecho…”

E prossegue: “Esse, o rotineiro ciclo da vida: somos crianças e brincamos; somos adolescentes e transgredimos; somos adultos e contabilizamos; somos velhos e recordamos. Mas a vida não é uma rotina, qual somatório de dias ao sabor de indulgente acaso. Porque a vida é uma batalha sem vencedores nem vencidos. Uma batalha com protagonistas desiguais: apenas nós e a Humanidade!”

“Nesse confronto reside o nosso ensejo de afirmação, o propósito de Ser, a chancela com que assinamos a tela da vida. Uma tela de luz e sombras, pintada com o rigor de perspectivas onde se diluem as sombras e se iluminam os sonhos. E os sonhos nunca envelhecem! Como se cada sonho vivido fosse um extenso nascimento… Um nascimento que é bênção, numa vida que é lição. Uma lição tão fugaz, quão urgente é aprendê-la. Como se o hoje fosse tardio e o ontem desperdiçado. Até que o coração faleça e a alma sobreviva. Do coração, fica a memória; da alma, a interrogação: nasce-se para morrer ou morre-se para renascer? Se Deus existe, só Ele conhece a resposta!”, conclui Mário Assis Ferreira.

Em mais uma edição de colecionador, a “Egoísta – Vida”, é como as restantes, é para guardar.Os leitores da revista “Egoísta” podem encontrá-la à venda no Clube IN do Casino Estoril e do Casino Lisboa.

Ver mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close